Notícias
17/10/2018 -
Construtoras brilham em dia de Ibovespa em alta

A queda da taxa de juros de longo prazo elevou a atratividade das construtoras e incorporadoras, em dia de alta relevante também do Ibovespa. O grande nível de endividamento dessas companhias e a melhora das condições de avaliação de preço dos papéis, que vêm operando com "desconto" nos últimos meses, explicam a reação positiva.

O Ibovespa subiu 2,83% ontem, na máxima do dia em 85.178 pontos, com mais um giro forte, de R$ 11,8 bilhões. Dentro do índice, a MRV subiu 3,93%, enquanto a Cyrela avançou 4,24%. Fora do índice, também subiram Even (8,59%), Rossi Residencial (12,56%), Tecnisa (12,61%) e, descolada das demais, Viver (45%). O índice da bolsa que mede o desempenho do setor, o Imob, avançou 4,48%, entre os destaques de todos os índices setoriais da B3.

Segundo analistas, a queda das taxas de juros impulsiona os ganhos dessas empresas principalmente porque esse é um dos setores com maior nível de endividamento. Como as construtoras captam financiamentos de prazo longo, os juros de períodos mais estendidos são usados como referência para o custo dos empréstimos. Isso aponta, portanto, para um potencial alívio dos índices de alavancagem financeira.

Além desse efeito, os investidores estão colocando "na ponta do lápis" o nível de desconto das ações do setor, que já é bastante elevado. Nesse caso, com a queda da taxa de juros, os preços ficam ainda mais atraentes, já que a perspectiva para o custo de capital das empresas tende a se reduzir.

Renato Ometto, sócio da Mauá Capital, observa que a ponta mais longa da curva de juros futuros continua cedendo depois de tocar picos no ano, caso do DI para janeiro 2021, com taxa de 8,45% depois de ultrapassar 9% no ano, e do DI para janeiro 2025, a 10,15% depois de chegar a 12% na máxima.

Na Mauá, Ometto afirma que não tem nada em carteira do setor de construção no momento porque, ao elevar o risco do portfólio, prefere outros papéis, como shopping centers. "Vimos uma oportunidade maior em Multiplan porque conecta dois aspectos importantes, que é preço baixo com qualidade. É uma empresa com operações redondas e com empreendimentos muito bem localizados."

Ometto também afirma que chegou a deter uma posição em MRV, mas que não vê maior atratividade em companhias ligadas ao segmento imobiliário de baixa renda, principalmente pelos riscos de financiamento do programa Minha Casa, Minha Vida.

"Compramos recentemente um pouco de ações de MRV, mas nossa posição é marginal", afirma um gestor de um grande fundo paulista, que prefere não ter a identidade revelada. "De média e alta renda também não temos nada comprado até agora."

O movimento do Ibovespa tende a seguir forte com a visão mais positiva dos investidores. Hoje, porém, o fôlego será colocado à prova: enquanto aguardam pelos dados da nova pesquisa de intenção de voto do Datafolha, na quinta-feira, os investidores devem repercutir a decisão do Senado de rejeitar o projeto que destrava a venda de distribuidoras da Eletrobras - última fronteira para apostas mais consolidadas no papel da estatal. O dia também é marcado pela ata da última reunião de política monetária do banco central americano, que pode reforçar a cautela entre os investidores.

Fonte:https://www.valor.com.br/financas/5930151/construtoras-brilham-em-dia-de-ibovespa-em-alta